Sidney Miller – Línguas de Fogo – 1974

Sidney Álvaro Miller Filho (Rio de Janeiro18 de abril de 1945 — Rio de Janeiro16 de julho de 1980) foi um compositor brasileiro.

Início da carreira (anos 1960)

Carioca de Santa Teresa, Sidney Miller despontou como compositor no cenário musical brasileiro durante a década de 1960, e assim como outros artistas que também estavam começando, participou com algum destaque em diversos festivais de música, bastante populares nesse período.

Cursou sociologia e economia, porém sem concluir nenhum dos cursos. No início da carreira chegou a ser comparado com o também estreante Chico Buarque, uma vez que tinham em comum, além da timidez, a temática urbana e um especial cuidado na construção das letras. Além disso, a cantora Nara Leão, famosa por revelar novos compositores, teve grande importância na estreia dos dois: em 1967, no disco Vento de Maio, dividiam quase todo o repertório: Chico Buarque assinou quatro canções, enquanto Sidney Miller era o autor de outras cinco.

O primeiro registro importante como compositor foi em 1965 no I Festival de Música Popular Brasileira da TV Excelsior (SP), obtendo o quarto lugar com a música Queixa, composta em parceria com Paulo Thiago e Zé Keti, interpretada por Cyro Monteiro. Em 1967, pelo selo Elenco de Aloísio de Oliveira, lançou o primeiro disco, intitulado Sidney Miller, na qual se destacou por trabalhar temas populares e cantigas de roda como O CircoPassa Passa GaviãoMarré-de-Cy e Menina da Agulha.

Sidney Miller compôs, juntamente com Théo de BarrosCaetano Veloso e Gilberto Gil, a trilha sonora para a peça Arena conta Tiradentes, dos dramaturgos Augusto Boal e Gianfrancesco Guarnieri. Nesse mesmo ano, ao lado de Nara Leão, interpretou a música A Estrada e o Violeiro no III Festival de Música Popular Brasileira da TV Record (SP), conquistando o prêmio de melhor letra.

Em 1968, também pelo selo Elenco lançou o LP Brasil, do Guarani ao Guaraná, que contou com as participações especiais de diversos artistas como Paulinho da ViolaGal Costa, Nara Leão, MPB-4Gracinha Leporace e Jards Macalé, entre outros. O maior destaque do disco ficou por conta da toada Pois É, Pra Quê. A partir de então Sidney Miller intensificou a carreira na área de produção. Juntamente com Paulo Afonso Grisolli organizou no Teatro Casa Grande (RJ) o espetáculo Yes, Nós Temos Braguinha, com o compositor João de Barro. Também com Grisolli, relançou a cantora Marlene, no show Carnavália, que fez bastante sucesso.

Em 1969 produziu e criou os arranjos do LP de Nara Leão Coisas do Mundo. Ainda em 1969, ao lado de Paulo Afonso Grisolli, Tite de LemosLuiz Carlos MacielSueli CostaMarcos Flaksmann e Marlene, organizou o espetáculo Alice no País do Divino Maravilhoso, além de compor a trilha sonora do filme Os Senhores da Terra, do cineasta Paulo Thiago.

Anos 1970 e últimos anos

Na década seguinte seguiu realizando trilhas sonoras para cinema. Sidney Miller foi o autor da trilha dos filmes Vida de Artista (1971) e Ovelha Negra (1974), ambos dirigidos por Haroldo Marinho Barbosa. Sidney Miller foi autor da trilha sonora das peças Por mares nunca dantes navegados (1972), de Orlando Miranda, na qual musicou alguns sonetos de Camões, e do espetáculo a A torre em concurso (1974),[2] de Joaquim Manuel de Macedo. Em 1974 lançou pela Som Livre o último disco de carreira, o LP Línguas de Fogo.

Nos últimos anos de vida, Sidney Miller estava afastado do circuito comercial. Tinha planos de voltar a gravar, de forma independente, um LP que se chamaria Longo Circuito. Trabalhava na Funarte,  quando veio a falecer, vítima de um infarto.. A sala em que trabalhava passou a se chamar Sala Funarte Sidney Miller e foi transformada num teatro.

Discografia

 

SIDNEY MILLER – LÍNGUAS DE FOGO (1974 – Som Livre)

 

sydney

 

01 – Cicatrizes (Sidney Miller)
02 – Um dia qualquer (Sidney Miller)
03 – Línguas de fogo (Sidney Miller)
04 – Dos anjos (Sidney Miller)
05 – Alô (Sidney Miller)
06 – Pala palavra (Sidney Miller)
07 – No quarto das moças (Sidney Miller)
08 – Sombrasileiro (Sidney Miller)
09 – Espera (Sidney Miller)
10 – Alento (Sidney Miller)
11 – Dois toques (Sidney Miller)

MÚSICOS:

Toninho Horta – Guitarra (1,2,4,5,6,8,10,11), guitarras (3), violão (7,9), vocal (3,4,11)
Cláudio Guimarães – Guitarra (1,2,4,5,7,9), violão (3,8,10), guitarras (5), guitarra-solo (8), guitarras-solo (11), vocal (11)
Danilo Caymmi – Flauta (1,4,6,7,9,10), vocal (3,4)
Paulo Guimarães – Flauta (1,4,6,7,9,10), vocal (11)
Tenório Jr. – Órgão (1,5,9), piano (2), piano elétrico (4,6), percussão (8)
Maurício Maestro – Baixo elétrico (1, 2,4,5,6,7,9), vocal (3,4), violão de 12 cordas (8)
Robertinho Silva – Bateria (1,4,8,9,10,11)
Chico Batera – Percussão (1)
Luiz Carlos – Percussão (1,4,7,8,9)
Novelli – Percussão (4), vocal (4), baixo acústico (8)
Gustavo Schroeter – Bateria (2,3,5,6,7), percussão (8)
Luiz Alves – Baixo elétrico (3,8,11), baixo acústico (10)
Jeanne Miller – Vocal (7)

Arranjos:
Toninho Horta (4,7,9)
Maurício Maestro (1)
Sidney Miller (6)

Arranjo vocal:
Maurício Maestro (3) e Cláudio Guimarães (3)

Direção Musical: Toninho Horta
Assistente de Direção: Mauricio Mendonça
Direção de Produção: João Melo
Técnicos de som: Luiz Carlos, Norival Reis, Orlando
Gravação e mixagem: Estúdio Haway

 

Último disco desse grande compositor que na época do tropicalismo fazia uma espécie de antítese ao movimento, apesar de gravar com a maioria ali da cena como Jards Macalé, Nara Leão (de quem produziu um disco e foi a cantora que mais gravou sua obra) voltando a um tipo de música mais puro e baseado nas raízes populares, ainda que com um verniz bossanovista.

Mas nesse disco ele vai pra uma sonoridade que mistura seu tipo de composição ao jazz e ao rock dos anos 70, sonoridade que lembra os  mineiros do Clube da Esquina (Milton, Lo e cia), inclusive tem alguns músicos que tocavam com o Bituca como o guitarrista genial Toninho Horta , o baixista Luiz Alves e o baterista Robertinho Silva, esses 3 passaram pelo Som Imaginário também.

Poesias lindas, as vezes contemplativas, as vezes desiludida com o Brasil autoritário dos milicos da época.

Enfim, um belo disco de um tempo não tão belo assim.

 

Download:

 

https://mega.nz/file/l5ohSDKB#yWZ9UoUnUOxwnOrQAVZkC7Gcv7N-Lj0DS6D1uapk_d4

 

 

 

 

Ala mil – Jazz Punk – 2020

Nosso quarte álbum, talvez o que mais demorou pra sair, devido a uma série de problemas,  2019 e 2020 anos bem complicados com problemas familiares, existenciais e agora com essa pandemia pra piorar.

Mas vamos em frente.

Nesse disco quis mostras a relação do jazz com o punk que começou com Velvet Underground, MC 5 e Stooges que eram muitos fãs do lado mais agressivo do jazz, no caso o free jazz de Ornette Colleman, Sun Ra e outros grande nomes e essa combinação continuou no post punk, na cena no wave de NY e também em algumas bandas de hardcore e post hardcore como Black Flag, Minutemen e Fugazi.

No Brasil os maiores representantes disso foram as excelentes bandas Patife Band, Colarinhos Caóticos e Crac.

No disco aparecem outras referências como o thrash metal e progressive metal de bandas como Voivod, música brasileira, funk e dub.

Jazz punk capa

1.
2.
3.
4.
5.
6.
Sady Baby 03:17
7.
8.
9.
10.
11.
12.
13.
14.
15.
16.
17.
18.
19.
20.

About

Our forth album

credits

Released April 07, 2020

Ala Mil are:
César Bras Costa – Production,effects, electric bass and drums and percussions samples in all tracks except in track 01, electric guitar in track 8, acoustic guitar in tracks 08 (live intro) 11,14 & 16, additional voices samples

Virgílio Teixeira – Electric guitars , solos and efects in all tracks except in tracks 01, 02, 10, 16, 17 & 18
Fuzz bass in track 10
Bass (live session) in track 14

With guests:

Herbert Souza (Tiu Funk) – Production and effects in tracks 09 & 17
Electric guitar in live tracks 02 & 07 and studio tracks 09 & 17

Rafaela Ramos – rattle in live part of track 14

Everton Piagetti – Wha Wha guitars in track 13 Electric guitars in live tracks 02, 07, 14 & 19 (wha wha) and studio track 16                                                                                              Slide guitar in track 16

Daniel Tobarra – Synths in track 10

Sérgio Piro – Alto sax in live tracks 02 (overdub) & 07 (live), 14 (in live part) & 20 (live) in studio tracks 05, 06, 09 & 18

Robson Ortibas – Electric guitars ( with solo) in track 18

Júlio Ferraz – Electric guitar in track 11

Márcio Moreira – Electric guitars in track 10

Nicholas Rugenski live drums in tracks 02, 07 & 20

Leandro “Barba” Brandão – Melodica on studio track 15 & live track 19
Percussion (herb grinder) in live track 19

Steve Kornicks – Percussions (congas, berimbau, caxixi, triangle) & effects in tracks 11 & 15

Edmar Silva – Spoken poetry in track 1 (intro)

André de Castro Pereira – Electric guitar (bass & solo) & percussions (Tambourine & agorgo) in track 18

George Christian Vilela Pereira – Electric and slide noise guitars in tracks 03 & 04

Rafael Moreno – Electric guitar (solo) in track 08

Alessandro Amadeu – Electric guitar (solo) in track 17

Lucas Rossetti – Electric noise guitar (solo) in track 12

Felipe Marinero – Electric guitar in live part of track 14

Cecília Abbdub- Djembe in live part of track 14

Rodrigo Nickel – Tenor sax in live track 20

Renatinho Experiência – screams in live tracks 02, 07,14 & 20

A very special guest – André Jung (Ira! & Titãs drummer) percussion in track 17

Track 02 = live track with bass & sax overdubs

Track 03 = studio track with live bass & guitar bass overdubs

Track 07 = live track with bass & guitar bass overdubs

Track 14 = first part = studio track, second part = live track

Bônus track 19 = live track with drum samples overdubs & dub effects

Bônus track 20 = total live track

Sample in track 1 (intro) = Peter Peter Brötzmann live act

Voices, and songs samples = Sady Baby, bizarre politic and religious stuff of Brazil , Glauber Rocha and macumba stuff from Terra em transe,Ginger Baker beat, Azymuth demo beat , Daminhão Experiença, Umas & Outras, Equipe Mercado, Copacabanna Mon Amour from Rogerio Sgazerla, King Tuby effects

This album is dedicated to Ornette Colleman, Ginger Baker, Bill Laswell, Robert Wyatt, Peter Brötzmann, Black Flag, Stooges, Mike Watt,Pop Group,Patife Band, Lanny Gordin, Colarinhos Caóticos, Crac, Grupo Um,Yoko Ono, Rogerio Sganzerla, John Zorn, Velvet Underground and the No wave scene

All compositions by Ala Mil with contributions of guests

all rights reserved

Live at Jardim Elétrico – Balneário Camboriu – SC – Brazil – 2020
From rigth to left Virgilio Teixeira (acoustic guitar with effects) César Bras Costa (Blax) electric bass, effects and drum samples and Everton Piagetti electrig guitar
Picture by Rafaela Ramos (my love)
Ala mil contra
Download em Wav 32

https://mega.nz/file/B1p1na7a#i9B6QmzJ1I0UfKhG59DhsHJGyI1Fkpj3DWeJgJAoY80

 

Mp3 320 kps

 

https://mega.nz/file/5x4nSapQ#l5itYtDX1zX5_pnjqAOQRBDUbr-qZxaTsuVi5f9WC-I

 

 

Clipes do disco:

 

 

 

 

 

 

 

Link pra ouvir no youtube:

 

 

 

 

 

 

Som Nosso de Cada Dia – Discografia completa

Em homenagem ao grande mestre e amigo Pedrão Baldanza que faleceu ano passado.

 

som nosso de cada dia 1

 

Som Nosso de Cada Dia é um grupo musical brasileiro de rock progressivo – apesar de ter algumas músicas compostas nos gêneros funk e soul – formado em 1971 na cidade de São Paulo. É conhecida por ter lançado dois álbuns de estúdio nos anos 1970 com êxito em círculos específicos, Snegs – de 1974 – e Som Nosso – de 1977. Após o seu término em 1978, a banda retornou aos palcos em diversas oportunidades, tendo sua última volta ocorrido em 2017 e durado até outubro 2019 pouco depois de lançarem seu último álbum de estúdio e terem feito um shoe de lançamento inclusive, ai  pouco tempo depois Pedrão Baldanza faleceu em 28/10/2019.

História

Formação e primeiro término

Formado originalmente por Manito (tecladossaxofone e flauta), Pedro Baldanza, o “Pedrão” (guitarra e baixo) e Pedrinho Batera (bateria e vocais) na cidade de São Paulo em 1971.  Era uma banda diferente das outras que existiam por não contarem com um guitarrista solando, mas apenas um baixista que tocava guitarra eventualmente em algum trecho de alguma música. O grupo era centrado na figura de Manito que já havia feito sucesso com o grupo de rock da Jovem Guarda Os Incríveis. As coisas começaram lentamente até a banda passar a participar de festivais. Em uma dessas apresentações, foram vistos por olheiros da gravadora GEL que recomendaram a contratação da banda para o lançamento de um álbum de estúdio. Com a contratação, no ano de 1973, enfrentaram problemas com a gravadora, principalmente tempo escasso de estúdio para realizar as gravações e problemas com os equipamentos do estúdio. Assim, acabaram tendo que realizar as gravações e mixagem de seu álbum de estreia em apenas uma semana em um estúdio que estava com problemas na mesa-de-som.

Após a gravação, passaram a enfrentar outro problema: a gravadora não se animou com o material e colocou o disco na geladeira, adiando o seu lançamento indefinidamente. O grupo continuou fazendo shows e isto rendeu um convite para abrirem os shows que o cantor estadunidense Alice Cooper faria no Rio de Janeiro e em São Paulo. Foram cinco shows em julho que levaram a uma exposição gigante da banda que agradou o público: o maior show no Anhembi, em São Paulo, teve público de mais de 130 mil pessoas (estimativas chegaram até a falar em 158 mil pessoas. Com a boa repercussão – especialmente dos teclados de Manito na canção “Massavilha”, a gravadora resolve lançar o disco e, assim, após quase um ano da sua gravação, Snegs é lançado em 1974. Com o lançamento do disco, o grupo passa a se apresentar como atração principal em diversos festivais, como o primeiro Festival de Águas Claras e o festival Rock da Garoa, ambos em 1975.

Nesta época, gravam um segundo disco contendo uma suíte intitulada “Amazônia”, que passam a tocar em apresentações ao vivo. O disco acabaria não sendo lançado pela gravadora e, em novembro de 1975, Manito anuncia sua saída da banda.  Os membros remanescentes decidem continuar e a banda passa por diversas formações nos anos seguintes. Em 1976, assinam contrato com a gravadora Discos CBS e lançam, no ano seguinte, Som Nosso, contando com: Dino Vicente, Paulinho Esteves e Tuca Camargo (teclados); Egídio Conde (guitarra); Rangel e Marçalzinho (percussão); e Marcinha e Tony Osanah (vocais). Neste disco, a banda também gravou temas influenciados pela música negra e pelo funk de James Brown, com dois lados bem delimitados: um com música dançante; e outro com música progressiva.  Após passar por dificuldades para se manter fazendo shows, o grupo acaba em 1978.

Retorno da banda nos anos subsequentes

Em junho de 1993, o grupo volta com a formação original para gravar uma faixa bônus – “O Guarani” – para o relançamento em CD de Snegs, em comemoração aos seus 20 anos de lançamento. Esta volta rende, ainda, duas apresentações em outubro de 1994 – acompanhados por Jean Trad, na guitarra, e Homero Lotito, nos teclados – que resultariam na gravação de um álbum ao vivoLive ’94, lançado pelo selo Progressive Rock Worlwide no mesmo ano. No ano seguinte, morre Pedrinho Batera, levando a banda a novo hiato.

Em 2004, foi lançado mais um registro fonográfico de apresentações da banda. Desta vez, os membros remanescentes escolheram faixas de diversas fitas cassete existentes com apresentações do grupo entre os anos de 1975 e 1976 e lançaram A Procura da Essência – Ao Vivo 1975-1976, pela gravadora Editio Princeps. O disco conta com os músicos Pedrão Baldanza (baixo), Pedrinho Batera (bateria), Egidio Conde (guitarra), Dino Vicente e Tuca Camargo (teclados) e Rangel (percussão).

Em 24 de abril de 2008, o Som Nosso retornou mais uma vez para apresentações na Virada Cultural Paulista. O show ocorreu em um Teatro Municipal lotado e a banda tocou o primeiro álbum na íntegra. Além de Manito e Pedro Baldanza, participaram como músicos de apoio: Thiago Furlan e Jorge Canti (vocais), Marcelo Schevano (guitarra e flauta), Fernando Cardoso (teclados) e Edson Guilardi (bateria). O sucesso da apresentação levou a banda a realizar novas apresentações, como no festival Psicodália de 2009 e na mesma Virada Cultural Paulista de 2009, desta vez na Praça da República para uma plateia estimada em 35 mil pessoas. Entretanto, O novo regresso é forçado a uma nova pausa em 2010, quando Manito passa a ter problemas de saúde devido a um câncer de laringe, o que o levaria à morte no ano seguinte.

Em 2011, novo registro ao vivo é lançado pela banda, Ao Vivo no Aquarius, pelo selo Museu do Disco. Dessa vez, uma performance realizada em 1976 no Teatro Aquarius (atualmente, Teatro Zaccaro) com os músicos Pedrão Baldanza (baixo e vocais) Egídio Conde (guitarra), Dino Vicente (teclados), Pedrinho Batera (bateria e vocais) e Rangel (percussão e vocais).

Em 2012, a Rede Globo usou a canção funk “Pra Swingar”, faixa de abertura do segundo álbum da banda, na abertura da minissérie Suburbia.

A partir de 2017, com novo relançamento do Snegs em CD, a banda retorna e passa a tocar em festivais e shows pelo país.

Em 2019 lançam seu último álbum de estúdio chamado Mais um dia e pouco tempo depois do show de lançamento Pedro Baldanza falece devido a um câncer e a banda acaba provavelmente pra sempre porque ele era o único remanescente da formação original.

 

Discografia

Discografia dada pelo IMMUB e pelo Discogs.

Álbuns de estúdio

Álbuns ao vivo

  • 1994 – Live ’94 (Progressive Rock Worlwide)
  • 2004 – A Procura da Essência – Ao Vivo 1975-1976 (Editio Princeps)
  • 2011 – Ao Vivo no Aquarius (Museu do Disco)

Singles

  • 1978 – Black Rio / Identificação (Discos CBS)

 

Snegs – 1974 – Continental

Áudio da versão remaster de 2018, alta qualidade

Som nosso lp 1

A1 Sinal Da Paranoia

Written-By – CimaraPedrão*

6:00
A2 Bicho Do Mato

Written-By – Gastão Lamounier Neto*

3:52
A3 O Som Nosso De Cada Dia

Written-By – Paulinho*, Pedrão*

5:10
A4 Snegs De Biufrais

Written-By – Paulinho*, Pedrão*

2:20
B1 Massavilha

Written-By – Paulinho*, Pedrão*

6:00
B2 Direccion De Aquarius

Written-By – Paulinho*, Pedrão*

5:37
B3 A Outra Face

Written-By – Pedrinho*, Pedrão*

7:54

Faixa Bônus:

8 – O Guarani (Carlos Gomes)

Companhias, etc.

Créditos

Download:

 

https://mega.nz/#!495xVaDR!0vIonwydLdIU8b_bSfNtN6MdfoxQdQ4I0ccLPW43mXY

 

Som Nosso (Sábado/Domingo) – 1977 – CBS

capa_som noss

Sábado
A1 Pra Swingar
Written-By – Pedrinho*, Pedrão*
2:29
A2 Levante A Cabeça
Written-By – Pedrão*
2:04
A3 François
Written-By – Frankie*
2:58
A4 Pra Segurar
Written-By – Pedrão*
2:34
A5 Estação Da Luz
Written-By – Tony Osanah
3:17
A6 Vida De Artista
Written-By – Tony Osanah
3:06
Domingo
B1 Bem No Fim
Written-By – Frankie*
3:22
B2 Montanhas
Written-By – Tuca*
5:29
B3 Neblina
Written-By – Egidio Conde*
3:35
B4 Água Limpa
Written-By – Paulinho Foguete*, Pedrão*
3:33
B5 Rara Confluência
Written-By – Paulinho Foguete*, Tuca*
6:11

Faixas bônus – compacto CBS 1978

12 – Black Rio
13 – Identificação

Nessas faixas do compacto tem o guitarrista Luciano Souza na guitarra.
Companhias, etc.
Recorded At – CBS Studios, Rio de Janeiro
Recorded At – Estúdio Vice Versa
Créditos
Arranged By – Som Nosso*
Artwork – Laci Miranda
Bass, Vocals – Pedrão*
Directed By [Artistic Direction] – Jairo Pires
Directed By, Mixed By, Producer – Tony Bizarro
Drums, Vocals – Pedrinho*
Featuring – Armando*, Egídio*, Marcinha, T. Osanah*, Tuca*
Keyboards – Dino*, Paulinho*
Percussion, Vocals – Rangel
Photography By – Carlos Henrique Hyra
Technician – Marcus Vinicius

Som Nosso contra capa 1977

Download:

https://mega.nz/#!N9B01CIb!nBn_WVYtI_8Emz8Wfz8vY3PnwCY6NyAzLgZryke1hkk

 

Live 94 – 1994 – Progressive Rock Worldwide

front jr

Lista de faixas

1 Intro / O Guarani 03:10
2 Som Nosso de Cada Dia 06:17
3 Nada Prá Lembrar 07:07
4 Bixo do Mato 04:20
5 Tinta Preta Fosca 06:58
6 Docas 04:19
7 Doce Gente Má 03:29
8 O Amor 05:05
9 Prá Swingar 04:39
10 Sinal Da Paranóia 07:11

Créditos

Notas

Recorded in 16h. AAD at CENTRO CULTURAL – SÃO PAULO in Oct. 01 & 02/1994

 

Download:

 

https://mega.nz/#!FkIW3YgT!Jl7SArKPF8Rza3FUT7_miK1su-L7yd2Kfz4C7ql8etg

 

 

Procura da Essência – (Ao Vivo 1975-1976) –  Editio Princeps

Som Nosso lp 5

Lançado em 2004

Lista de faixas

O Barulho Aterroriza 79:23
1-1 Introdução / Sinal Da Paranóia 10:50
1-2 Fragmentações 12:04
1-3 Neblina 15:14
1-4 Tema Da Batera 3:34
1-5 Rara Confluência 11:09
1-6 Bote Salva Vidas 13:22
1-7 Tinta Preta Fosca (Bem No Fim) 8:09
Bonus / Soundcheck
1-8 Blues Da Gaita 3:11
1-9 Improviso 1:38
Cuidado Com O Verdi 79:39
2-1 Bote Salva Vidas 12:10
2-2 Sonhas Paulinho 9:04
2-3 Tinta Preta Fosca (Bem No Fim) 6:01
2-4 Água Limpa 7:34
2-5 Fragmento Instrumental 2:15
2-6 Tema Da Batera 5:35
2-7 Blues Do Verdi / Voando A 10.000 Por Hora 17:20
2-8 Rajada Runaway 10:50
2-9 Sinal Da Paranóia 8:45

Créditos

  • Bass [Fender Jazz Bass 64], Vocals – Pedrão Baldanza
  • Drums, Vocals – Pedrinho Batera
  • Executive Producer – Marcelo Spindola Bacha
  • Guitar [Fender Stratocaster, Gibson ES-335] – Egidio Conde*
  • Keyboards, Organ [Hammond B3], Electric Piano [Fender Rhodes], Synth [ARP Odyssey, Moog 15] – Dino Vicente
  • Keyboards, Synth [ARP Odyssey, Moog 15], Electric Piano [Fender Rhodes] – Tuca Camargo
  • Percussion – Rangel

Notas

Live 1975-1976.

Cover notes:

“This double CD presents, for the very first time, live recordings from Som Nosso de Cada Dia at their most progressive – during their 70s heyday – carefully selected by the musicians themselves amongst the best sounding tapes available. Besides plenty of improvisation and extended versions of the old classics, the material also includes live readings of unreleased tracks from the legendary “Amazônia” suite, recorded in 1975 and never released on its entirety.”

 

 

Download:

Disco 1

https://mega.nz/#!1txTECrI!47r37h5E24U1uwidPqpkUQAn60xheL1yGFsWzIqQ_cg

 

Disco 2

 

https://mega.nz/#!gghF1ALI!swqI9AkwpmeTOg-yySkGXfUE_kG8ntBEx3DJdhSUAkg

 

Ao vivo no Aquarius – 2011 (show de 1976) – Museu do disco

Som Nosso lp 4

Lista de faixas

1 Sinal Da Paranóia
2 Bote Salva Vidas
3 Samba Prog Experimental (Instrumental)
4 Tinta Preta
5 Samba Prog Experimental 2 (Instrumental)
6 Sonhas Paulinho

Créditos

Notas

Live recording from 1976.

 

Download:

https://mega.nz/#!40ohHKBB!ULAfeFRqe7YTCXTCZ4OrHWa5-7tu4fw17cAjYu-Kd7Q

 

Mais um dia – 2019

Som Nosso Lp 6

Lista de faixas

1 Homem Víbora

Written-By – Pedro CalassoPedro Baldanza*

2 Ficou No Ar

Written-By – Pedro Baldanza*

3 Tempos Difíceis

Written-By – Pedro Calasso

4 Black Rio

Written-By – Pedrinho BateraPedro Baldanza*

5 Mais Um Dia

Written-By – Pedro CalassoPedro Baldanza*

6 Firmeza Total

Written-By – Pedro Calasso

7 Lixo Per Capita

Written-By – Capitão Foguete*, Pedro Baldanza*

Companhias, etc.

Créditos

 

Download:

 

https://mega.nz/#!sgx2QATR!sLvSntLe4Sk-xqBxfivm_Y4tKnVqih1zSVHwlBK78so

 

 

Fotos:

 

Som nosso de cada dia 2

Manito, Marcinha, Pedrão e Pedrinho

 

Som Nosso

Som-Nosso-de-Cada-Dia 5

 

Som nosso 11

Trio Original: Pedrão, Manito e Pedrinho batera

 

Som Nosso de Cada Dia

som nosso 94

Trio original na primeira volta em 1994

 

som nosso 12

Última formação de 2019

 

Trecho do documentário História do rock nacional que fala do Som Nosso com imagens raras e depoimentos emocionantes

 

Airto Moreira – Identity – 1975

Depois de 9 meses finalmente volto a postar, esse ano foi muito tenso politicamente e pessoalmente também mas vamos lá.

 

Sexto álbum de estúdio do mestre, decidi postar depois de ver um espetacular show dele com uma super banda em Curitiba  (14/12/2019) e com a participação mais que especial de sua esposa Flora Purim que está voltando a cantar aos poucos, foi uma experiência incrível que achei que nunca iria realizar, chorei em Mãe Cambina que está presente nesse álbum inclusive.

É um dos meus discos favoritos do mestre da percussão e bateria e nesse disco grande parte é de composições do genial Egberto Gismonti que também toca violão e pianos no disco, além de um super time de músicos brasileiros e americanos, de Raul de Souza a Herbie Hancock.

 

airto capa

 

Lista de faixasOcultar Créditos

A1 The Magicians (Bruxos)

Written-By – A. Moreira*, E. Gismonti*, G. Carneiro*

5:16
A2 Tales From Home (Lendas)

Written-By – A. Moreira*, E. Gismonti*, P. Tapajos*

5:15
A3 Identity

Written-By – A. Moreira*

2:09
A4 Encounter (Encontro No Bar)

Written-By – E. Gismonti*, G. Carneiro*

5:00
B1 Wake Up Song (Baiao Do Acordar)/Café

Written-By – E. Gismonti*, Novelli

7:25
B2 Mãe Cambina

Written-By – H. Pascoal*

5:31
B3 Flora On My Mind

Written-By – A. Moreira*

6:10

Companhias, etc.

Créditos

Notas

Recorded at The Record Plant, Los Angeles, Kendun Recorders, Los Angeles, Wally Heider Recording Studios, Los Angeles.
Mixed at West Lake Audio Studios, Los Angeles.
Contracapa
airto contra

 

Download:

 

 

Fiquem com uma versão funkeada de Lendas do mestre Gismonti

Ala Mil – JahAlláh Mil – 2019

Nosso terceiro disco dessa vez mais dub, krautrock e psicodélico

Lee Scratch Perry - Black Ark Studio

 

 

Tracklist:

1 – Fake de loucura
2 – Space age dub
3 – Meteorango dub
4 – Bença Naná
5 – Bossa anti boçal
6 – Dub de cemitério
7 – Forrózin polifônico
8 – Arabíndia
9 – Bananil Dub
10 – Headhunters dub
11 – Vinheta folkdelic anti fofolk
12 – Miles Perry
13 – Linguiça na brasa
14 – Give my weed
15 – Percussion kraut funk
16 – Bença Naná (Tiu Funk remix)
Credits
released March 13, 2019

Third album by the band

Released March 11, 2019

Ala Mil are:
César Bras Costa – Production,effects, electric bass and drums and percussions samples in all tracks, electric guitar in track 6, acoustic guitar in tracks 7 & 11, percussion in track 11, mellotron sample in track 6, Theremin sample in track 2, horns sample in track 14, additional voices samples

Virgílio Teixeira – Electric guitars , solos and efects in all tracks, acoustic guitar in tracks 1 & 8

With guests:

Herbert Souza (Tiu Funk) – Production and effects in tracks 15 & 16
Electric & inverted guitar in track 15
Electric piano in track 16
Electric bass (with solo) in track 15

Rafaela Ramos – Vocals in tracks 8 & 11
Percussion vocals & effects vocals wiith delay in track 2

Everton Piagetti – Wha Wha guitars in track 10

Daniel Tobarra – Synths in track 9

Sérgio Piro – Soprano & alto sax (wiih delay) in track 1
Alto sax in track 12
Pífano in track 7

Robson Ortibas – Electric guitars ( with solo) in track 6

Júlio Ferraz – Acoustic guitar (violão de aço), percussion (matchbox) & effects in track 7

Márcio Moreira – Electric (microtonal) guitar in track 3

Leandro “Barba” Brandão – Melodica on track 2
Congas on track 2, 3 & 9
Claves in track 2
Tambourine in track 2
Queixada in track 3
Pau de chuva in track 4
Reco reco in track 9
Agogo in track 14

Vilson Sá – Acoustic guitar (nylon) in track 5
Acoustic guitar (12 chords) in tracks 5 & 13
Slide guitar in track 13

Steve Kornicks – Congas in tracks 13 & 15
Hidden track = The Revolutionaries – Bitter Blood

Voices and songs samples = Sady Baby, Meteorango Kid (movie), Rainha Diaba (movie), Caveira my friend (movie), Naná Vasconcelos, Wesley Safadão, Daminhão Experiencia, Lee Perry (Ganja Man), Sérgio Sampaio

This album is dedicated to Naná Vaconcelos, Lee “Scratch” Perry & King Tubby
All compositions by Ala Mil with contributions of guests
license
all rights reserved

 

Ala Mil 3 (2).jpg

 

 

Download:

 

mp3 320

 

https://mega.nz/#!VpBBDYZI!K6htlhBmSEFOz-ICFMmbG-q0-7JlkVUZyM9T8KRD940

 

Wav:

 

https://mega.nz/#!E5JRlSyL!YLoc_paBltW2EsVUenRqlPRzS_MS7vaDA41sk8WQBnc

 

Para ouvir online:

 

https://alamil.bandcamp.com/album/jahall-h-mil

 

Ou no youtube:

 

 

 

Gang 90 – Discografia

Gang 90 e as Absurdettes foi um grupo de rock brasileiro dos anos 1980, fundado pelo disc jockey e jornalista Júlio BarrosoSuas canções misturavam new wave com viagens beatnik, e ainda carregava batidas fortes e coro feminino, inspirado no grupo B-52s.[1]

Sua primeira aparição foi na discoteca Paulicéia Desvairada em 1981. Participou do Festival MPB Shell do mesmo ano, com a música Perdidos na Selva, o que tornou o grupo famoso.

Para divulgar o grupo, o programa Fantástico de 2 de agosto de 1981 apresentou o clipe de ‘Perdidos na Selva’. Nesta época, a banda chamava-se simplesmente “Gang 90”. A música foi lançada originalmente em compacto pelo selo HOT, tendo a faixa “Lilik Lamê” um cover de Siouxsie and the Banshees no lado B, cantada por Alice Pink Pank, uma das cantoras-musas da banda, ao lado de May East e Lonita Renaux.

Um momento particularmente importante para a banda foi sua participação, também em 1981 do festival MPB Shell, promovido pela Rede Globo. Naquela ocasião, e defendendo a canção “Perdidos na Selva”, conseguiram um grau de exposição e notoriedade até então incomum para bandas da cena pop brasileira, o que já prenunciava o vigor do movimento de rock nacional que surgiria a seguir ao longo da década de 80.

Em 1983, a banda lançou o LP Essa tal de Gang 90 & As Absurdettes, que continha os sucessos anteriores da banda e que emplacou uma canção como tema de novela das 8 da Rede GloboLouco Amor, de Gilberto Braga.

No mesmo ano, também participaram do especial da Rede Globo Plunct, Plact, Zuuum com a música “Será que o King Kong é Macaca”?

Júlio Barroso faleceu prematuramente em 1984, caindo da janela de seu apartamento em São Paulo em circunstâncias nunca completamente esclarecidas (embora hoje exista praticamente um consenso de que se tratou de um acidente).

Após esse fato trágico, a tecladista Taciana Barros assumiu a liderança do grupo e tentou insistir em sua continuidade lançando um álbum (Rosas e Tigres) que tinha em seu repertório uma série de canções inéditas de Julio Barroso. O trabalho acabou tendo muito pouca repercussão comercial apesar de haver sido razoavelmente bem recebido pela crítica especializada. Uma última tentativa, em 1987, foi o álbum “Pedra 90” já sem praticamente nenhum integrante original do grupo e que selou o fim da banda.

Além de Júlio Barroso, participaram desse projeto músicos como♙Alice Pink PankLobãoMay East, Lonita Renaux (Denise Barroso), Luíza Maria, Miguel Barella, Wanderley TaffoGuilherme ArantesLee Marcucci, Sandra Coutinho, Gigante Brasil, Herman Torres, Otávio Fialho, Luiz Paulo Simas, Taciana Barros, Beto Firmino, Gilvan Gomes, Paulo Le Petit e Curtis, Claudia Niemeyer.

 

gang 90 1

Discografia:

EP Perdidos na Selva (1981) WEA

Gang 90 cp.jpg

  1. Perdidos na Selva
  1. Lilik Lamê

Faixa Bônus:

Será Que O King Kong É Macaca?  do disco – Plunct!Plact!Zum! – 1983 – Som Livre

Download:

 

https://mega.nz/#!lw5khIpC!A1BSnEQuV76qNaj6DBompjnsKdw7Qd5T0z1azV7S96M

Essa tal de Gang 90 e as Absurdettes (1983) RCA

Gang 90 disco 1.jpg

 

  1. Nosso Louco Amor (Herman Torres – Júlio Barroso)
  2. Românticos a Gô-Gô. (Alice Pink Pank – Júlio Barroso)
  3. Telefone. (Júlio Barroso)
  4. Eu sei, mas eu não sei. [I know but i don’t know] (F.Infante)
  5. Convite ao Prazer. (Wander Taffo – Júlio Barroso – Lee Marcucci)
  1. Dada Globe Orixás. [Spaced out in paradise]. (C.Stevens – L.Gomes)
  2. Perdidos na Selva. (Júlio Barroso – Márcio Vaccari – Guilherme Arantes)
  3. Noite e Dia. (Júlio Barroso – Lobão)
  4. Mayacongo. (Luiz Fernando Borges – Júlio Barroso – Luiz Paulo Simas)
  5. Jack Kerouac. (Alice Pink Pank – Júlio Barroso)

 

Download:

https://mega.nz/#!Nsw00IBS!KWf_6PrfR-l8y_BsV79QDC4jiDZo4hJMbE3K76Lz-IE

 

 

Rosas e Tigres (1985) – Opus/Columbia

gang 90 disco 2

 

  1. Rosas e tigres (Júlio Barroso – Roberto Firmino – Taciana Barros)
  2. Qualquer gesto (Júlio Barroso – Roberto Firmino – Taciana Barros)
  3. Meu amor, meu playboy (Júlio Barroso – Roberto Firmino – Taciana Barros)
  4. Balanço das horas (Júlio Barroso – Roberto Firmino – Taciana Barros)
  5. Ela (Júlio Barroso – Gilvan Gomes – Roberto Firmino – Taciana Barros)
  6. Novamente aconteceu (Roberto Firmino)
  7. Vida animal (Júlio Barroso – Roberto Firmino)
  8. Você sumiu tanto tempo (Roberto Firmino – Taciana Barros)
  9. Marginal conservador (Júlio Barroso – Roberto Firmino)
  10. Depois eu conto (Júlio Barroso – Gilvan Gomes – Roberto Firmino – Taciana Barros – Curtis)
  11. Do fundo do coração (Júlio Barroso – Taciana Barros)

 

Download:

 

https://mega.nz/#!55pgCKgA!zQshd0_78ur1n2KtouH21ZkAM-tZB4p3B-fb7nL8i-s

 

Pedra 90 (1987) – Continental

gang 90 disco 3

  1. Palavras não bastam (Gigante Brasil – Gilvan Gomes – Taciana Barros)
  2. Cara pálida (Gilvan Gomes – Alex Podre)
  3. Som da rua (Gilvan Gomes – Alex Podre)
  4. Coração de alguém (Taciana Barros – Edgard Scandurra)
  5. Vida dura (Taciana Barros – Arnaldo Antunes)
  6. Junk favela (Júlio Barroso – Paulo Le Petit)
  7. Visão noturna (Júlio Barroso – Gilvan Gomes – Taciana Barros)
  8. Do outro lado da cidade (Gilvan Gomes – Alex Podre)

 

Download:

 

https://mega.nz/#!g1oCgYQR!qFEL4hmB2htoUsUgpOJZ3n-Dvvo3KuohxqQHbnot7EM

 

Banda muito boa e a frente do tempo, Júlio Barroso foi um pioneiro e a frente do seu tempo, pegou a estética New Wave de NY onde morou e misturou com referência de tropicalismo,  vanguarda paulistana entre outras referências brasileiras.

Depois de sua morte Taciana Barros reuniu um grande time de músicos, integrantes da Isca de Polícia do genial Itamar Assumpção (o baterista Gigante Brasil já era da banda) e continuou com um disco com várias letras ótimas do mestre Júlio e depois fizeram mais um bom disco com produção do Edgar Scandura do Ira com quem Taciana era casada na época e rendeu um disco bem funk e pesado.

Vou deixar alguns vídeos e fotos  interessantes da banda:

Gang 90  6.jpg

gang 90 7

 

gang 90 11

Foto da formação liderada pela Taciana já sem Júlio Barroso

gang 90 10

Gang 90 5.jpeg

gang 90 3.jpg

 

Ala Mil – Triste fim do Bananil (Gado dançando rumo ao abate)- 2018

Segundo disco desse meu projeto de música instrumental experimental

 

 

Capa disco ala mil2

1.
2.
Ben funk 03:18
3.
4.
Drunk Funk 02:24
5.
6.
7.
8.
9.
Tema Blax 02:33
10.
11.
12.
13.
Punk Zappa 03:32
14.
15.
16.
17.
18.
Second album by the band

Credits

 

Released September 06, 2018

Track 18 is a live take with overdubs of bass and guitars

Ala Mil are:
César Bras Costa:

Production,efects, electric bass and drum sample in all tracks, electric guitar in track 4, 6, 14 , 15 and 16
Virgilio Teixeira:

Electric guitar , solos and efects in all tracks excepet in track 1

With guests:

Herbert Souza (Tiu Funk):
Production and effects in tracks 1 & 8
Electric guitar in tracks 1 & 8
Electric piano and efects in track 8

Everton Piagetti:

Electric guitar (final noise solo) in track 14 and guitar with wha wha in track 18
Bass (live) in track 18

Daniel Tobarra:

Synths in track 11

Júlio César Marques:

Harmonica in track 5

Sérgio Piro :
Alto sax in track 2 and
Tenor sax in track 14 & track 18 (Live)
Tenor and soprano sax in track 13

Robson Ortibas:

Electric guitar ( solo) in track 16

Rafael Neves:

Electric guitar (with solos) and production in track 2

Lucas Rossetti -:

Alto sax in track 6

André de Castro Pereira -:

Guitars and effects on track 13

John Zorn (sample) soprano sax in track 7

All compositions by Ala Mil with contributions of guests

license

all rights reserved

 

coxinlândia

https://alamil.bandcamp.com/album/ala-mil-triste-fim-do-bananil-gado-dan-ando-rumo-ao-abate

 

 

 

Download

 

 

https://mega.nz/#!I95A2I7B!jSWiNbxfmgmD9S3WTOcKlwfMz24GSGnvJbVV76_VfKE

 

MP3

 

https://mega.nz/#!VlhWXa5D!jJjsA6jiIvMEdZQz4Y45rxMPVOhAMyE7fRyMeFEWwmM

Crac Móbraba – 1998

Banda formada no começo dos anos 90 em Salvador Bahia com uma porposta de misturar rock com funk, música brasileira e exprimentalismo como atonalidade,microtons e improvisação livre.

Com o tempo ganharam influência do Suíço que morou na Bahia Walter Smetak que foi um grande pesquisador do microtonalismo.

Chegaram a ter um álbum no meio dos anos 90 produzido por Paulo Barnabé o gênio líder da Patife Band que nunca saiu mas vocês podem ouvir umas faixas e ler mais sobre a banda (em inlglês) no site do saxofonista da banda André Borges.

http://www.saxcretino.com/bands/crac/

Deixaram oficalmente somente esse disco gravado no final dos anos 90 que conheci faz uns 2 ou 3 anos mas foi uma grata surpresa, pois conhecia muita coisa boa do underground brasileiro dessa década mas desconhecia essa banda fantástica.

O disco tem elementos de free jazz, microtonalismo, funk, metal, música afro brasileira e música eletrônica noventista.

Outros músicos que passaram pela banda:

Neio Mustafa (bass), Paulo Farias (guitar), Pedro Semanovischi (guitar), Mauro Rodrigues (drums), Tamima Brazil (drums), Edbráss Ferreira (vocals, microtons and effects), Juninho ‘Junix’ Costa (guitar), Betinho Barreto (guitar), Everaldo Aguia (percussion), Peu Meurray (percussion), Andre Yogi (drums), Krishna Miranda (guitar) Ramon Casais (Percussao), Emerson (percussao), Careca (percussao), Duda Machado (Bateria), Benedict Leb (trumpete).

 

Paulo Mustafa ficou de me passar o disco que gravaram com o Paulo Barnabé, assim que ele me passar posto aqui com exclusividade.

 

crac capa.jpg

  1. Pesadelo/Risadinhas
  2. Canguru/A Chuva
  3. Na Sopa
  4. Sonhos Lerdos
  5. Quem é Doido?/Ponte Duvidosa
  6. Daquele Cigarro
  7. Nave/Comandante da Nasa
  8. Oxigênio/Mulé Véia
  9. Dona Fulana
  10. Subcenas

Nancy Viegas (voice) , Andre Borges (sax, flute, vocals and microtones), Julio Moreno (guitar and loops)’ Nego T. (bass and microtones) and Duda Machado (drums)

 

Download:

 

https://mega.nz/#!pwphkZwQ!oPzmtfnCQuKcpzDj44xbkSC_zyHVR3fXbcRWWipqF80

 

crac

 

crac 2.jpg

 

crac 3

Deixo vocês com 2 vídeos da banda na primeira vez que foram pra São Paulo e tocaram num programa de tv da época.

 

Ala Mil – Trilha sonora do caos – 2018

Mais um projeto meu agora instrumental:

Projeto formado através de algumas jams que os integrantes da banda GOFA! César Bras Costa (baixo e samples de bateria) e Vírgilio Teixeira (guitarra) faziam algumas vezes e geraram temas que vão do rock ao jazz, passando pelo funk, dub e música brasileira.
O nome do projeto é em homenagem a um bar que frequentávamos no centro de Balneário Camboriú – SC .

 

 

ala mil capa.jpg

Tracks:

1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8.
9.
10.
11.
12.
Free HC 02:33
13.
14.
Blaxadelic 02:41
15.

Credits:

released April 27, 2018

Ala Mil are:
César Bras costa – Production,efects, electric bass and drum sample in all tracks, electric guitar in track 10
Virgilio Teixeira – Electric guitar and efects in all tracks

With guests:

Herbert Souza (Tiu Funk):
Production and efects in tracks 1,2,9,11 & 14
Electric guitar in tracks 1, 2 & 9
Electric piano and efects in track 14
Electric bass (solo) in track 11

Everton Piagetti – Electric guitar (with solo) in track 1

Alexandre Canella – Electric guitar in track 2 (with solo)

Daniel Tobarra – Synths in tracks 4 & 9

Júlio César Marques harmonica in track 5

Sérgio Piro :
Tenor sax in track 6
Tenor and Soprano sax in track 15

Júlio Ferraz – Electric guitar (with solo) in track 9

Robson Ortibas – Electric guitar (with solo) & berimbau in track 11

Márcio Moreira – Electric guitars & arranged in track 13

All compositions by Ala Mil
Excepet track 13 by Márcio Moreira & Ala Mil

license

all rights reserved

 

 

Download:

Wav 32 bits

https://mega.nz/#!glQxHZJR!-ARS_ozon0rJMlB5xddR17Pi35w45y_yAa9qjafzZMw

 

MP3 ( mais leve)

https://mega.nz/#!g5RinC7b!qu11omIRMB6wtztU46szqSDJx-wYxgElBEDlkZTMaq8

 

 

Ala Mil em ação.png

 

 

ala mil em ação  2.jpg

Ala mil em ação com o baterista Nicholas em Curitiba PR em 2017

 

Agradecimentos especiais a todos que apoiaram, tocaram com a gente, divulgaram, curtiram, espalharam o nosso som.

Aos bateras Nicholas, Sabrina e Serginho Araya que fizeram algumas gigs com a gente e aos participantes do disco, Tiu Funk, Tobarra, Júlio Ferraz e Júlio César, Robson, Xandão Canella, Tom, Sérgio Piro e Márcio Moreira.

A minha família principalmente meus pais Gelson e Rosangela que sempre me apoiaram, aos meus 2 maiores parceiros musicais Virgílio e Tiu Funk (Suburbeats) pela sintonia musical e amizade e por fazerem eu acreditar nas minhas e nossas composições e talentos.

Rafaela meu amor e parceira em futuros sons com sua voz linda e doce e que sempre me apoiou com seu amor e compreensão.

Um salve especial pro baterista gringo Jim Dooley de quem emprestamos vários loops (todos orgânicos) de bateria.

Abaixo o álbum full pra quem quiser ouvir online no youtube e também a nossas páginas no facebook e no bandcamp onde dá pra baixar e ouvir nosso álbum em alta qualidade e colaborar (se quiser ) com a nossa arte.

 

Ala Mil – Trilha sonora do caos – 2018

 

 

https://www.facebook.com/Projeto-Ala-Mil-1261586203961028/

 

 

https://alamil.bandcamp.com/album/ala-mil-trilha-sonora-do-caos

 

 

 

 

Colarinhos Caóticos – Discografia

Grande banda gaúcha, liderada pelo inquieto artista Egisto Dal Santo, cara que já tocou baixo e guitarra e ou produziu grandes nomes do rock gaúcho como Júpiter Maçã, Bebeco Garcia, Defalla, Acretinicy me atray entre muitos outros.

Conheci a banda pelo primeiro disco clássico do rock underground brasileiro, uma mistura de post punk, hc, funk, jazz com sax free jazz.

Pra quem gosto de bandas loucas como Defalla e Patife Band é um prato cheio.

O segundo compacto é um pouco menos experimental mais post punk e o segundo disco cheio é uma mistureba louca de funk, rock, jazz, hc, metal,ska, reggae, música gaudéria, algo próximo do rock californiano underground do fim dos anos 80 e começo dos 90 de bandas como Red Hot Chilli Peppers (na fase boa), Fishbone, Primus e o próprio Defalla nessa época também mas com muita originalidade e contextualizado na realidade gaúcha e brasileira.

A coletânea Custon Colors que comprei pela internet das mãos do próprio Egisto em 2014, ele deve ter ainda, só procurar pelo nome dele no facebook que ele manda pra quem quiser comprar.

Na coleta temos várias raridades de compacto, coletâneas de bandas e faixas gravadas mais recentemente.

Sei que tem discos gravados inéditos e outro pra sair que será a continuação do primeiro (Introdução) e to louco pra ouvir essa loucura sonora.

Também vou colocar uma coletânea que fiz com mais raridades da banda, inclusive coisas ao vivo.

Discografia:

 

Introdução (1988)

colarinhos intro
01 – Útero
02 – Its Life
03 – Esa è 1 (a) Istorya di Amor
04 – Suicide
05 – Não Sei ou Sei
07 – Colarinhos Caóticos
08 – Irresponsável
09 – Nendmqnsds
10 – Introdução
11 – Vida em família
12 – Trans

Download:

https://mega.nz/#!FsgXALiZ!ahEUUcZ9ONpMEzKlN_ZiAlyCPAsV65y7d4utVCEGztI

Compacto “Meios” 1989.

colarinhos ep
Meios (1989)
01 – Introdução
02 – Humana
03 – Sentindo

 

Download:

https://mega.nz/#!9x4yzYzQ!s7lomJQL1N1P13UNSbqwoz2SsxzefboIXLpYpdsQcdc

 

Agora Pode Ser O Tempo Todo (1996)

colarinhos disco 2
Faixas:
01 – Baby Eu Preciso
02 – Mui Amigos
03 – Melara’s Song
04 – Opho Nevermind_Nanina
05 – Ela Não Quis Me Dá
06 – Música Decomposição
07 – Palavra
08 – Cansei_Krishna Baby
09 – Recuerdos
10 – Deu Pra Ti
11 – Meu Bem
12 – Agora É Tua_Matou
13 – Pronto Pra Outra
14 – Buceta_Vamu Lá Que Eu Tô Ficando De Cara
15 – Tudo Bem
16 – C.o.l.a.r.i.n.h.o.s. C.a.ò.t.i.c.o.s.

Download:

https://mega.nz/#!5lxGmSaB!0zl1dNlAKwQ9ilUEG5zPCzJ7-fFpUaR2uvAQyKyXF70

 

Custom Colors – coletânea de singles 2014

colarinhos custom

colarinhos encarte

colarinhos caoticos encarte 2

colarinhos foto.png

 

Download:

https://mega.nz/#!s8Z0XQIb!zeBFkxbL0ljP4z8rfTZfqZ_1GxdxAef-WygFU-cBJWs

 

Raridades:

01 – Opho is dead  (V.A. “Segunda sem ley) –  1995

02 – Funny Day  (V.A. “Rebuliçus Futuramis) – 1999

03 – O tempo todo (V.A. “Rebuliçus Futuramis) – 1999

04 – Malara’s song (V.A Brasil compacto) – 1996

05 Letra (V.A Brasil compacto) – 1996

06 – Tudo bem – ao vivo Teatro Renascença – 1989

07 – Comida pra verme – ao vivo Radar TVE –  2004

08 – Não perca as coisas que sua mãe lhe dá – ao vivo Radar TVE – 2004

09 – Útero – ao vivo Radar TVE – 2004

Download:

 

https://mega.nz/#!Q9YngKbI!F_nOM202lFSb_yO-XnN8t9U5CxL0EkmUrxYrJL8jKuY

 

Ao vivo no Porto de Elis – POA (RS) 1989

colarinhos porto de elis 1989.jpg

Formação mais recente da banda

colarinhos recente

colarinhos

 

 

 

 

%d blogueiros gostam disto: