Mamelo Sound System – Discografia

MAMELO SOUND SYSTEM
Biografia:
Formado no final de 1998 em São Paulo, o Mamelo Sound System despontou como uma das maiores revelações do cenário cultural de São paulo, graças a sua original fórmula sonora e suas envolventes apresentações ao vivo. Escolados nas mais diversas vertentes da Grande Música Negra produzida durante o século XX, o grupo formado pelo produtor e multi -instrumentista Alexandre Basa, e os vocalistas Rodrigo Audiolandro e Lourdez Da Luz não encontra fronteiras sonoras na sua missão de entreter e informar. As canções usam rimas e batidas de Hip Hop temperadas com efeitos e texturas do Dub jamaicano, além de melodias com franca inspiração jazzística, numa mistura onde a diversão do ouvinte é garantida. O resultado impactante conseguido pelo grupo tem um nível de qualidade musical inédito por aqui – boa música pra dançar, ainda mais com letras bem escritas, é uma coisa rara no Brasil dos dias de hoje. O disco de estréia do Mamelo – cujo sobrenome (Sound System) é uma alusão direta às equipes que animavam os bailes da Jamaica desde a época que Bob Marley estava no berço e foram base fundamental de sua formação musical – traz as participações e o aval de figuras de peso da música brasileira como os membros da Nação Zumbi, mundo livre S/A, Paula Lima, DJ Marky, a dupla Thaíde & DJ Hum e o MC Rappin’ Hood. O trabalho da banda também conquistou também ilustres fãs internacionais, como o conceituado produtor britânico Amon Tobin (que durante sua estada no Brasil pediu autorização do grupo para remixar uma de suas canções), e os norte-americanos Rahzel, autoridade máxima mundial da arte do beatbox, e Afrika Bambaataa, um dos criadores do Hip Hop – ambos já gravaram com o quinteto. Não é pra menos, afinal de contas quem já assistiu o Mamelo Sound System ao vivo sabe que eles estão sempre trilhando o caminho da evolução – não há show onde não sejam apresentadas novas composições – com um som novo e pulsante que poderia ter sido produzida em qualquer capital do mundo.

O grupo durou de 1998 até 2010 mais ou menos, se juntaram novamente os 2 mcs Rodrigo e Lurdez no projeto Ekundayo em 2011 que tinham além dos 2 o finado percussionista Naná Vasconcelos e os pessoal do grupo Hurtmold e SP Undergound.

Lurdez da Luz tem discos solos e Rodrigo Brandão (que já foi VJ da MTV) tem várias parcerias com mcs e produtores nacionais e gringos e fez recentemente também um disco em parceria com o Takara do Hurtmold e SP underground e o projeto Brookzill com produtores americanos e a MC Ladybug Mecca (Digable Planets).

Alexandre Basa continua produzindo raps e outros sons, um exemplo foi o segundo disco do Black Alien Babylon By Gus vol 2 que ele produziu e saiu ano passado em 2015, ele já tinha produzido o primeiro em 2004.

mamelo-sound

Mamelo Sound System – 2000

mamelo-1

  1. ?…**!!!###
  2. M.O.V.E.
  3. Rule The World
  4. De A a Z
  5. São Paulo S/A
  6. Jazzin Hood
  7. Fitagem
  8. Camping Business
  9. Suzako Fight Song
  10. Hip Hop SP
  11. Sick Rick Vs. Ninja
  12. Simple Feeling
  13. 2736 KM
  14. Bambaataa’s Beware

O primeiro disco tem uma sonoridade mais de coletivo sonoro (parecido com o que o Instituto faria um pouco depois) e mais instrumental passando pelo rap, jazz,. funk 70, trip hop e drum bass.

Lurdez da Luz ainda nem era mc do grupo, os mcs eram Rodrigo Brandão e Paulo Napoli e parte instrumental era feita na maioria por Alexandre Basa (produtor e multi-instrumentista) e Daniel Bozzio

Participações de Afrika Bambaataa, Fernandinho Beat Box, Dj nuts, Paula Lima, Rappin Hood, Thaíde, Geanine Marques, MZK , DJ Marky e Los Sebozos Postizos (Nação Zumbi mais Bactéria do Mundo Livre S/A na época).

Download:

https://mega.nz/#!slokEZpA!_TWFZRgKUQn5_tmlUIdL9yAjvoYiobYOoy2FoI2KsxA

Urbália – 2002

mamelo-2

  1. Conexão Nave-Mãe
  2. Isso Aqui Não É 1 Teste!
  3. Falsidade
  4. Cidade Ácida
  5. Clandestino Secreto
  6. Inabalável Na Balada
  7. Noturno
  8. Amor Em Tempos De Guerra
  9. Gorila Urbano
  10. Motel Metrô
  11. Delírios Cotidianos
  12. Silenzio
  13. O Caminho Do Samurai
  14. E La Nave Va

No segundo disco eles atingem uma sonoridade mais rap mesmo, foi com essa sonoridade que ficaram mais conhecidos.

Rap nova escola (ou underground) futurista com ecos de música brasileira, dub, funk 70 e trip hop.

Produção do grande Alexandre Basa.

Download:

https://mega.nz/#!h1YE0L6K!wwbL90kSue29WREl9gmQMWf1UOroxCFdBUXGqXn_7rs

Operação: Parcel ou Remixália – 2005

mamelo-3

  1. D-Repente
  2. Mega-Montagem Urbália (Tejo Remix)
  3. Cidade Àcida (Speed Remix)
  4. Isso Aqui Não é 1 Teste! (Lumbriga Tremosa Remix)
  5. Noturno (Daniel Bozio Remix)
  6. Gorila Urbano Maquinado Remix)
  7. Liri Sista (Alexandre Basa Remix)
  8. Motel Metrô (Parteum Remix)
  9. Clandestino Secreto (Munhoz Remix)
  10. Inabalável na Balada (Léo Cunha Remix)
  11. Silenzio (DJ Periférico Remix)
  12. Falsidade (Rica Amabis Remix)
  13. Amor em Tempos de Guerra (Hurtmold Remix)
  14. E-Pronto

Disco de remixes do segundo álbum Urbália, remixes feitos pro amigos do grupo como Lùcio Maia  da Nação Zumbi (Maquinado), Hurtmold, Speed Freaks entre outros.

Download:

 

https://mega.nz/#!lsIUyKbC!0YqxW6q2LBTCcXOdisE6yg0Bqm9DjsVF8BqIKlmnzss

 

Velha Guarda 22 – 2006

mamelo 32.jpg

  1. Pra Abrir Nosso Caminho
  2. Vô-Q-Vo
  3. Festa/Luta
  4. Minha Mãe Diz
  5. Verso Ímpar 
  6. Morte & Vida Pequenina
  7. Assim Falou Sun-Ra
  8. Morte Chamando
  9. Bença, Balanço e Chumbo Grosso
  10. Zulu/Zumbi
  11. Bela Fera
  12. Vai!
  13. Pra Encerrar esse Ciclo

O disco mais orgânico e brasileiro deles, talvez o melhor do grupo para mim.

Participações do pessoal do Nação Zumbi em várias faixas, Céu, Tonny Allen baterista do finado mestre Fela Kuti, Espião (Rua de Baixo) DJ Primo (RIP), MC Sebstop  além da super produção do  grande Scotty Hard.

Download:

https://mega.nz/#!k0gwFJbL!50bdcDPuS7IrBwj9jarPo882lAwj8ZQlS5mPnRFNcXg

Raridades e participações:

mamelo sound system.jpg

mamelo 5.png

mamelo 10.png

Download:

https://mega.nz/#!95hEyTKD!sDenWSfDy1cwyPF3HzPP38SDrxDS408TQqtgexNeik4

Ekundayo – 2011

cover.jpg

Tracklist
A1 Intro 0:50
A2 Macumbeiro Então…
Bass – Stu Brooks
3:11
A3 $elva Do Dinheiro
Bass – Melvin Gibbs
4:02
A4 Family Thang 4:41
A5 Freak Rocker
Bass – Melvin Gibbs
2:17
A6 The Massage 3:34
B1 Algo Necessário 4:23
B2 Em Nove 3:29
B3 Prelevar 2:47
B4 Claudio Café 2:55
B5 Just Love 2:41
B6 Night Of The Hunter

Nesse projeto Rodrigo e Lurdez se juntam ao finado mestre Naná Vasconcelos mais o pessoal da banda de jazz São Paulo Underground mais o produtor Sctotty hard e o mc Mike Ladd

Download

https://mega.nz/#!txYhXYIJ!N0-ms344LV-2bgFnfR3D7nYNTrzllGs6FP7fWXjxVOg

É um dos meus grupos de rap favorito e um dos mais criativos do país, marcaram vários momentos da minha vida desde 2004.

Fiquem com a cabulosa Minha mãe diz:

Anúncios

SpeedFreaks (Bulletproof, Speed & DJ Rodriguez) Demo – 1993

Lendária fita demo (K7), gravada por Bulletproof (Black Alien), Speed e DJ Rodriguez,  gravada em ou 1993 , em quatro canais e mixada por eles, segundo o próprio Speed.

Image

Eu virei fã de rap quando conheci a dupla Black Alien & Speed Freaks lá por 2000, me chamou atenção a diversidade sonora do som (samples de soul, jazz, mpb,reggae, erudito, etc e muita coisa tocada pelo Speed que eram um excelente baixista também)e das letras com citações que fugiam daquela coisa do rap tradicional (de armas, política, etc) e falavam de cinema, boemia, alteradores da mente entre outros assuntos.
Desde aquela época ouvia falar dessa lendária fita demo que fazia a cabeça de caras como o Chico Science (inclusive a fita estava no Fiat Uno em que ele se acidentou e morreu) , mas só fui conhecer agora em 2013.

Mas a espera valeu, a fita não tem uma grande gravação na parte técnica,mas as idéias eram bem a frente do tempo porque nessa época o rap velha escola mau havia se consolidado por aqui e eles já chegaram mandando um rap nova escola na base do que o Beastie Boys, De La Soul entre outros estava fazendo lá fora.

É notória a influência da fantástica banda Defalla também nessa fase deles, letras em inglês, pegada funk rock em alguns sons e mutias colagens.

Gustavo Black Alien nessa época usava o codinome de Bulletproff ( colete a prova de bala) depois que mudou pra Black Alien e se tornou o melhor mc do Brasil (pra mim) e o Speed usava o nome Speedy Gonzalez depois mudou para Speed Freaks mesmo quando esse projeto acabou ele pegou o nome artístico pra ele.

 

maxresdefault.jpg

Faixas:

 

Lado A:
01- Intro
02- Check This Sound
03- What Da Hell is That?
04- Jimi
05- Bullet Proof Nigga
06- Sinistro II
07- Jazz
08- Hit Hard Hip Hop

 

Lado B:
09- Let Me Do My Head
10- Brothership Connection
11-Essa é a sua Rapá?
12- Free Ragga Style
13- Brothership Connection 94
14- One Two One Two (bônus)

 

Speed Freaks era Speedy Gonzalez, Bulletproof e Rodriguezz

Gravado e mixado por Rodriguezz
Arte: LEO

 

folder.jpg

 

 

 

Uma pequena história de como o grupo começou:

“Em 1991, Cláudio Márcio (Speed freaks) ouviu uma música que Gustavo gravou junto com DJ Rodriguez, gostou e intimou, literalmente, Gustavo a cantar na banda dele, chamada Speed Freaks (nome adquirido do filme de skate da Santa Cruz). Eu fui na casa do Rodriguez, eu ouvi uma rima que você fez, eu gostei. E eu sou o Speed, eu sou foda, eu toco muito baixo, eu toco baixo há dez anos, eu sou músico e eu quero você na minha banda. A banda vai se chamar Speed Freaks´, foi assim que Black Alien começou sua vida como rapper. Assim surgiu o grupo Speed Freaks, formado por Cláudio Márcio, que na época era chamado de Speed Gonzáles, Gustavo, que levava o nome de Bulletproof e o DJ Rodriguez. Speed Freaks era um grupo considerado à frente do seu tempo, com letras cantadas em inglês e português misturadas num ritmo descompassado. Logo uma de suas músicas, ´Jah Jah Overall´, entra no tracklist do cd da revista Trip. Com a divulgação do disco, a banda se torna famosa no eixo Rio de Janeiro – São Paulo. O grupo durou de 1992 a 1996, desentendimentos constantes e brigas foram a causa dp seu término.”

Download:

 

https://mega.nz/#!ogYzwIDa!RslQN5wYHQLkEaEcZQAeGrrHoFoaNNIIwWnqEQ7Lwt0

 

 

Brothership 94

Speed Freaks – RIP

Luto pelo Speed

Sei que nao é rock , mas musica pra mim não tem limites e esse cara era atitude Rock’n roll , além de sempre flertar com o estilo em suas produções e tocar baixo muito bem como nas musicas instrumentais do disco Usuário do Planet Hemp. (Speed Funk e Skunk)

A dupla Black Alien & Speed marcou a minha vida de 2000 pra ca,
me abriram a cabeça pro rap e me mostraram um estilo  inovador que influenciou toda a cena underground atual, misturando elementos de Dub, Rock, Jazz, Reaggae, ragga, funk e drum’ bass.
Poesia livre falano sobre tudo e todos.

Dia 26 de março Speed foi assassinado numa favela em Nitéroi.

http://g1.globo.com/Noticias/Rio/0,,MUL1547299-5606,00-RAPPER+SPEED+E+ENCONTRADO+MORTO+EM+NITEROI.html

Biografia:

Informação geral
Data de nascimento 1973
Origem Niterói-RJ
País Brasil
Data de morte 26 de março de 2010
Gêneros Rap
Período em atividade 1989–2010
Gravadoras Speed’sHitS Independent Records
Página oficial:

http://www.speedshits.com

Myspace:

http://www.myspace.com/speedshits

Cláudio Márcio de Souza Santos (1973 – 26 de março de 2010), mais conhecido pelos nomes artísticos Speed e principalmente Speedfreaks foi um cantor brasileiro de rap, considerado um dos precursores do gênero no país. Como a maioria dos cantores do gênero, as letras de suas músicas falavam sobre a realidade das ruas brasileiras, versando a respeito de crime, pobreza, preconceito em geral, drogas e dinheiro. Sua carreira teve início em 1989, na cidade de Niterói, no Estado do Rio de Janeiro.
Segundo a revista Isto É, é autor de “um dos melhores discos de rap dos últimos tempos”.  Faleceu assassinado em 26 de março de 2010.

Carreira

O cantor começou se apresentando no estilo freestyle, e em shows locais participando como convidado. Escreveu seu primeiro rap, “Sinistro”, no começo da década de 90 e o segundo foi gravado na mesma época, intitulado “Eu Sou o Capeta”. Em 1993, lançou a demotape Speedfreaks, com seu antigo parceiro musical Gustavo Black Alien.
No mesmo ano, participou da coletânea No Major Babies, a qual teve a música “Hit Hard Hip Hop” lançada no Brasil, Europa e Estados Unidos. Participou do álbum Usuário do grupo Planet Hemp e lançou de forma independente o CD solo De Macaco, em 1996.
De 1997 até 1998 lançou várias músicas em sítos virtuais na internet como “Som da Glock” e “Timoneiro. Formou em 1999 junto com Gustavo Black Alien a dupla Black Alien & Speed, a qual estreou com a canção “Guerrilha Verbal”. Participou do primeiro álbum solo do cantor Marcelo D2, Eu Tiro é Onda, especificamente na música “Império Contra Ataca”.
Em 2000, realizou o disco Na Face com o produtor paulista Carlo Bartollini, lançado na internet. Gravou com Fernanda Abreu no disco de Herbert Vianna a música “O Som do Sim”. No mesmo ano, participou dos discos Tributo a Luiz Gonzaga e Baião de Vira Mundo.
Em 2001, Speed lançou o CD Expresso, com participações de Rappin’ Hood e Otto. Como parte do grupo com Black Alien, lançou uma das músicas de maiores sucessos do grupo: Quem que Caguetou?, lançada também na Europa. Ela recebeu remixes de Afrika Bambaataa e Fat Boy Slim, e foi regravada nos Estados Unidos sob o título de “Follow Me, Follow Me”.

Em 2003, lançou virtualmente o álbum instrumental Sangue Sob o Sol. Ainda em 2003, após discussões com Black Alien, foi encerrada a dupla. Em 2006, lançou também virtualmente o CD Só o Começo, o qual teve participação de Rhossi, do Pavilhão 9.

Em 2008, veio o seu novo trabalho: Meu Nome é Velocidade, o qual teve participação do cantor BNegão na música “Você Morreu”. No ano seguinte, lançou De Volta no Jogo, pela sua gravadora independente, Speed’s Hits. Esteve para lançar Remixxx-Speedfreaks Featurings, o qual era uma compilação das músicas com participações especiais de Speed.

Morte

Speedfreaks foi encontrado morto na madrugada de 26 de março de 2010, no bairro de São Lourenço, em Niterói, no Rio de Janeiro. Segundo a polícia, o corpo de Speed e mais uma pessoa foram encontrados com marcas de tiros em um valão da rua Capitão Evangelista. O caso se trata de um duplo homicídio. A polícia suspeita que ele foi confundido pelos traficantes como um policial.
Marcelo D2 comentou em seu twitter: Muito triste e indignado, não consigo entender…Ele não merecia isso … Mais uma vida perdida assim…Valeu Speed!

Descanse em Paz Professor Maluco.

Video de uma performance do Speed no começo da década.

Primeiro ele cantando a musica Roleta Russa com Max B.O e depois o Miami Bass – Quem Caguetou com seu parceiro Black Alien, musica que estourou na Europa, depois de ser trilha sonora de um comercial de um carro da Nissan.

Discografia

Álbuns de estúdio:
De Macaco (1996)
Expresso (2001)
Sangue Sob o Sol (2003)
Só o Começo (2006)
Meu Nome é Velocidade (2008)
De Volta No Jogo (2009)
Remixxx-Speedfreaks Featurings Vol. 1 (2009)

Coletâneas
No Major Babies (1993)
Baião de Vira Mundo (2000)
Hip Hop Rio (2001)

Trilha Sonora – Surf Adventures

Revista Trip (2000-2003)

Penta Brasil (2003)
Brasil Muito Além (2008)

Black Alien & Speed – a dupla dinâmica de Niterói

Black Alien & Speed foi uma dupla que fazia basicamente a mistura de rap com ragga independente em atividade entre 1993 e 2003. Ambos nascidos e criados em Niterói, Rio de Janeiro.

Pioneiros do hoje chamado Rap Underground.

Começaram usando o nome “Speed freaks” e por volta de 1998 tornaram-se “Black Alien & Speed”. Se apresentando nos mesmos palcos e gravações no Brasil nos anos 90 com Afrika Bambaataa, De La Soul, Beastie Boys, Chad Smith (Red Hot Chili Peppers), Carlos Lyra, Roberto Menescal, Nação Zumbi, Otto, Marcelo D2 e muitos outros. Em 2001 foram lançadas 80 000 cópias do hit “Quem Que Caguetou?”/”Follow Me, Follow Me” numa revista de grande circulação no Brasil, mais tarde em 2003, essa música fez enorme sucesso na Europa em um comercial da Nissan intitulado Le Marathon. Com o grande sucesso do comercial, um dos maiores DJs do mundo, Fatboy Slim, remixou a faixa que veio a se tornar um novo hit. Até hoje é um dos mais respeitados grupos de rap no Brasil tendo participado da fundação e ajudando a construir o elemento musical da cultura hip-hop.
Em 2003, o grupo se separou e cada um se dedicou a carreira solo. Speedfreaks foi assassinado em 26 de março de 2010.

Formação

Gustavo Black Alien – vocais de rap e reggae.
Speed – Produção musical, mixagem, ProTools, programação de beats, contra-baixo/guitarra, teclados, scratches, vocais de rap e ragga.

Mulheres e Crianças Primeiro

Pra finalizar mais alguns audios e clipes

Marcelo D2, Black Alien, Speed, Jackson e B Negao – O império Contra -Ataca

Speed tocando baixo no primeiro disco do Planet Hemp- Usuário

Speed Funk:

Pra finalizar – um clipe de uma música mais recente onde parece que ele previa a sua morte.

Você Morreu – com B Negão

Downloads

SpeedfreakS – Meu nome é Velocidade

Quem quiser conhecer o som do Speed solo ou com o Black Alien e algumas participações tem aqui nessa pasta.

http://www.4shared.com/dir/11460009/87a614a9/sharing.html