Ney Matogrosso – Água do Céu Pássaro – 1975

Água do Céu – Pássaro é o primeiro disco solo do cantor brasileiro Ney Matogrosso, lançado em 1975. Além do LP, o disco trazia um compacto com as faixas As Ilhas e1964 (II), gravadas na Itália com Astor Piazolla. Essas canções aparecem como faixas-bônus da reedição em CD.
1975
Continental
Image
Faixas
1 Homem de Neanderthal
(Luiz Carlos Sá)
2 Corsário
(Aldir BlancJoão Bosco)
3 Açúcar candy
(Tite de LemosSueli Costa)
4 Pedra de rio
(LucindaLuliPaulo César)
5 Idade de ouro
(Paulo MendonçaJorge Omar)
7 Mãe Preta (Barco Negro)
(PiratiniCaco Velho)
8 Coubanakan
(Moises SimonSauvatChanfleury)
9 América do Sul
(Paulo Machado)
Bônus:
10 – 1964
(poema de Jorge Luis Borges)
11- As Ilhas
(Geraldinho Carneiro)

Músicos

Jorge Omar
Violão e viola
Marcio Montarroyos
Trompete, flugelhorn, piano (na faixa Barco Negro) e berrante
Chacao
Percussão
Sergio Rosadas
Flauta, flautim, sax tenor
Claudio Gabis
Guitarra
Bruce Henry
Baixo elétrico e acústico
Elber Bedaque
Bateria

Ficha técnica

Produção fonográfica:
Gravações Elétricas- Discos Continental
Coordenação de produção:
Sidney Moraes
Produção:
Billy Bond
Técnico de som:
Vinícius Marcus
Estúdio:
Vice-Versa
Assistentes:
Renato Viola, Wilson
Mixagem:
Vinicius Marcus, Billy Bond

Capa:
Rubens Gerchman
Fotografia:
Luis Fernando
Arte final:
Oscar Paolillo

“É indiscutível que a forma e as circunstâncias que o Secos e Molhados terminou, deixaram algumas marcas em seus componentes. Esse trauma tinha tudo para ter prejudicado ou mesmo tirado o brilho dos trabalhos solos de Ney Matogrosso, Gerson Conrad e João Ricardo. Isso, felizmente, não aconteceu, muito pelo contrário. Especialmente os seus primeiros álbuns são ótimos e mantém a mesma essência dos Secos e Molhados, apesar do nível musical, no geral, ser um pouco mais baixo.

Dito isso, dá para afirmar sem medo de errar que dos três, o que mais acertou a mão foi o Ney Matogrosso, com o seu grande disco “Água do Céu Pássaro” de 1975. A começar pela produção do fantástico Billy Bond e dos músicos virtuosos que tocaram no disco, Claudio Gabis (guitarra), Jorge Omar (violão), Bruce Henry (baixo), Marcio Montarroyos (trompete, piano), Sergio Rosadas (flauta, sax tenor), Chacao (percussão) e Elber Bedaque (bateria). Claro, a voz de Ney também estava intacta e com a mesma magia de sempre, pronta para conquistar novos fãs e corresponder a expectativa dos fãs antigos, que esperavam no mínimo uma ótima performance vocal em seu próximo trabalho.

Para começar, os belos cantos de pássaros e os estrondosos trovões da canção “Homem de Neanderthal” vêm mostrar que a proposta é de um disco conceitual, mais para uma Ópera Rock, mostrando toda a ousadia da produção. Talvez fosse realmente mais fácil seguir pelo caminho do pop (mais óbvio), mas provavelmente, o resultado final não seria tão belo. A música “Corsário” segue a mesma linha da anterior, também com certo teor de lirismo.

Já o riff e o solo de guitarra de “Açucar Candy” (assim como o constante piano e os metais) são inspiradíssimos e dão um pouco de peso, até para “duelar” com a voz imponente de Ney. “Pedra de Rio” tem elementos jazzistas e em alguns momentos, chega a lembrar os bons tempos da Bossa Nova. Talvez seja um dos principais temas do disco.

“Idade de Ouro” e “Mãe Preta (Barco Negro”) são brasileiríssimas, que nos remetem ao Rock-Baião, algo que estava muito em voga nesse período na música brasileira. “Bôdas” (do Milton Nascimento e Ruy Guerra) apresenta um grau de agressividade que contrasta com as canções anteriores, mas que no geral, se enquadra muito bem no contexto da obra.

Finalmente, as canções que são os carros-chefe do álbum “Coubanakan” e “América do Sul”. A última inclusive obteve um grande destaque na mídia com a veiculação do videoclip no Fantástico e esse sucesso todo, culminou com o cobiçado Prêmio ONDAS (da Espanha), como o Melhor Musical do Ano de 1975. Sucesso absoluto!!

De uma forma geral, Água do Céu Pássaro não é exatamente um disco de Rock N Roll. O ouvinte não pode ir com a expectativa de ouvir solos de guitarras virtuosíssimos, altas viradas de bateria ou mesmo um baixo com um groove fora do comum, como há por exemplo, no

primeiro álbum dos Secos e Molhados. Em contrapartida, o ouvinte que se aventurar pelo disco certamente terá ótimos minutos de prazer, com o apogeu da boa música, estampado especialmente na voz incrível do Ney Matogrosso.

A dica é ouça Água do Céu Pássaro sem medo de ser feliz e sem nenhum ranço de nostalgia, a satisfação é mais do que garantida. Especialmente para quem é amante da obra do Ney.

Boa diversão e viva a música brasileira!! Extremamente rica por sinal.”

Texto do meu grande amigo Fabiano Oliveira.

Disco altamente experimental e belo, destaque pras atuações do lendário trompetista Márcio Montarroyos que ajudou muito nos arranjos e claro que do Ney que é um dos maiores cantores e intérpretes do Brasil, esse anta com alma mesmo.

Download:

https://mega.co.nz/#!thAQxQZY!H8V4befq7km8oWQwX5TEQgFxBweLW1SPlHlmzqmaf-s

Fiquem com América do Sul e depois o documentário (O Som do Vinil) sobre o disco.

http://www.youtube.com/watch?v=FkuflcS5fPw

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s